Medo de viajar sozinha quais são os medos e como lidar com eles

Estive em São Paulo, recentemente, para bater um papo sobre medo de viajar sozinha com a Heloísa Capelas, diretora do Centro Hoffman. Ela é autora do livro Mapa da Felicidade e é uma das mais prestigiadas especialistas em autoconhecimento e inteligência comportamental do Brasil. A primeira coisa que aprendi com a Heloísa quando comecei a assistir seus vídeos foi que medo a gente não perde, pois o medo é parte do ser humano, ele nos constitui. Mas a gente pode aceitá-lo e lidar melhor com este sentimento que, muitas vezes, nos protege.

Em nosso papo que estará disponível na Solo Travel Week, Heloísa destaca dois pontos muito importantes para conseguirmos lidar com o medo de viajar sozinha: qual é o nosso medo? Medo de que exatamente? Sabendo com clareza do que temos medo, já o estamos diminuindo a um tamanho bastante aceitável. Ele deixa de ser aquele monstro enorme! E a partir daí fica muito mais fácil lidar com isso e administrarmos a situação para que o medo não nos paralise e nos impeça de viajar, por exemplo, que é do que quero tratar aqui.

Na comunidade do Viajante Solo no Facebook, com mais de 12 mil mulheres que tiram dúvidas sobre viajar sozinha e compartilham suas experiências solo, foi perguntado por uma participante, qual o medo de viajar sozinha de cada uma. Claro, quase todas nós temos algum medo na hora de viajar! Poucas responderam que não tem nenhum. Os medos foram os mais variados possíveis. Desde coisas simples de serem resolvidas, até medos mais complexos.

Fiz um apanhado dos medos mais comuns na hora de viajar sozinha. Falo sobre algumas possibilidades para solucioná-los ou, ao menos, administrá-los. Tudo sob o meu ponto de vista, baseado na minha vivência e experiência viajando sozinha e que, talvez, possa ajudar algumas mulheres.

Solo Travel Week

PARTICIPE DA SOLO TRAVEL WEEK

Uma semana com muitos conteúdos online e gratuitos sobre viajar sozinha. Você vai aprender como planejar uma viagem solo única!

Medos na hora de viajar sozinha

Medo de não conseguir se comunicar

Esse tipo de medo é bem comum e acho que quase todas nós sentimos. Eu fico me imaginando na República Tcheca tentando dizer o que quero comer. E isso já me aconteceu em uma cidadezinha alemã bem pequenininha, chamada Melsungen. Ninguém do restaurante demonstrava qualquer vontade ou esforço em tentar entender meu inglês ou minha mímica. Resultado: apontei qualquer coisa e fui na sorte. Não sei o que era, mas estava bom.

Claro que essa era uma situação amena e podem ocorrer outras em que falar um pouco de inglês possa te salvar de uma grande roubada. Mas acredito, sempre, que um bom planejamento antes da viagem ajuda muito a não depender da resposta ou da comunicação com alguém que não fale seu idioma.

A boa notícia é que, hoje em dia, a tecnologia nos ajuda incrivelmente e você pode usar o Google Tradutor que vai não só mostrar a sua frase escrita, como mostra a fonética e se você clicar no áudio alguém vai falar a sua frase por você.

Medo de Viajar Sozinha Google Tradutor

O tradutor escreve a frase para você, te mostra como pronunciar e se você clicar no botão de volume diz a sua frase em sérvio, que foi o exemplo que usei acima. Claro que vai haver erros na sua mensagem. Mas quem se importa com isso? O importante é que você consiga passar a sua mensagem 🙂

Medo de não passar na imigração e ser deportada

A imigração é um medo comum a várias pessoas. Imagina sua viagem acabar minutos antes de pisar naquele destino dos sonhos? Mas a realidade é que nem sempre é assim um bicho de 7 cabeças. Eu escrevi um post sobre como se comportar na imigração e outro onde falo sobre as perguntas frequentes e também as respostas que podemos dar. Você pode, se tem dificuldade com o idioma, se preparar um mínimo que seja, aprendendo palavras básicas em inglês. Lembre-se que na imigração você não vai bater papo. São respostas curtas e objetivas. Muitas vezes você diz apenas uma palavra e a pergunta foi respondida.

Caso você não consiga entender nada, poderá chamar um tradutor. Costumo recomendar não chamar um tradutor de cara. Faça um esforço para entender ao menos um pouquinho e só depois solicite um tradutor.

Medo de assédio e, por não falar o idioma, não conseguir sair da situação

Quando identificamos o assédio é muito mais fácil de pará-lo. Não fique calada! De modo calmo, mas assertivo e até com tom de voz um pouco mais alto, diga que não vai tolerar esse tipo de comportamento.

Se viver uma situação de assédio em um idioma que não domina, a saída pode ser falar no seu idioma mesmo. Fale em tom mais alto e mostre-se firme e confiante! Isso deve funcionar, porque as pessoas conseguem entender pela sua expressão facial e tom de voz, que você não aprovou o tipo de comportamento que ela teve com você.

Medo de se perder 

Se perder, acredite se quiser, tem seu lado bom. Quantas vezes já me perdi e acabei descobrindo coisas novas 🙂 Mas bem, muitas pessoas ficam bastante nervosas com essa situação e é compreensível.

Se você se perder, a melhor coisa é manter a calma e não se desesperar. Respire fundo, busque um bar ou restaurante, sente-se, tome uma água e consulte suas anotações, mapas, aplicativos. Tente refazer o caminho em pensamento, pode perguntar informações para o garçom. Isso é muito melhor do que ficar com cara de desesperada na rua, perguntando a todos que passam e se mostrar vulnerável e perdida.

Tenha sempre com você um mapinha, de preferência no celular e o endereço de sua hospedagem. Estes são alguns dos aplicativos que vão te ajudar a não se perder ou a voltar para seu hotel: Google Maps, Waze, Maps.me, Citymapper.

Outra coisa que ajuda, se você é muito desorientada como eu, é fotografar com o celular as placas com os nomes das ruas que vai passando ou ainda um ponto de referência, como uma loja grande, um banco. Depois pode pedir informação sobre esses lugares e estará indo pelo caminho certo.

Medo de perder os documentos de viagem

Pode acontecer em qualquer lugar e independente de você estar viajando sozinha ou não. Algumas pessoas andam com a cópia autenticada do passaporte ou RG e, em caso de perda, extravio ou roubo, o documento original está guardado no hotel. É uma saída.

Caso aconteça de perder o original, você precisará registrar a ocorrência (Police Report) na autoridade policial do seu destino e depois ir ao Consulado Brasileiro para a emissão de um novo passaporte ou uma ARB, Autorização de retorno ao Brasil. lembre-se de ter uma cópia de todos os seus documentos na nuvem, pode ser no Dropbox ou Google Drive. Isso vai facilitar muito a sua vida.

Antes de viajar pesquise os procedimentos para emissão de novo documento de viagem e tenha com você os endereços do Consulado e Embaixada do Brasil no seu destino.

Medo de perder dinheiro/cartões ou ser roubada 

A possibilidade existe todos os dias e em qualquer lugar do mundo, não é mesmo? Para amenizá-la o ideal é andar apenas com dinheiro suficiente para as despesas daquele dia, separar as quantias e colocar em locais diferentes da sua bolsa. Não guarde tudo junto.

Ter dois cartões de crédito durante a viagem – pode ser um pré-pago e um normal – é mais do que recomendado. Leve com você apenas um deles e o outro deixe escondido na sua hospedagem. Dependendo do cartão, hoje em dia é possível ter uma segunda via em até 24 horas. Veja as condições do seu cartão de crédito junto a operadora. É bom saber como funciona em caso de perda ou roubo.

Se você for assaltada no meio da rua e ficar sem nenhum centavo para voltar ao seu hotel, você pode entrar em um restaurante ou loja, explicar a situação e pedir ajuda. Pergunte onde há uma autoridade policial mais próxima. Você deve registrar o ocorrido, principalmente, se levaram seu passaporte ou RG, porque sem eles você não consegue sair do país.

Se não houver uma delegacia próxima, o melhor  afazer é pegar um táxi e ir para o seu hotel, onde poderá se acalmar e conseguir informações e orientação. Depois não deixe de registrar o ocorrido.

Medo de ficar sem dinheiro no meio da viagem

O caso aqui é um pouco diferente do que perder o dinheiro ou ser roubada. Estamos falando de não ter feito um planejamento de maneira adequada ou de não ter controle com gastos durante a viagem.

Se você está viajando com orçamento apertado, o ideal é que você estabeleça um limite diário para gastar com alimentação, transporte e passeios, partindo do princípio que despesas com passagens, hospedagem e seguro já estejam pagas ou que não dependam do dinheiro que está levando para a viagem. Vai ter dias que você vai ultrapassar um pouco do limite diário e, no dia seguinte, se tiver controlando adequadamente, saberá que precisa economizar. Existem alguns aplicativos como, Travel Expense ou TripBudget que podem te ajudar nessa tarefa.

OK, mas deu tudo errado e fiquei sem dinheiro no meio da viagem. O que fazer? Algumas possibilidades:

  • Voltar imediatamente
  • Transferir dinheiro da sua conta corrente para o seu cartão de crédito pré-pago, via internet banking, e depois sacar em algum caixa eletrônico.
  • Pedir para algum familiar ou amigo fazer uma transferência via Transferwise ou Western Union.

Medo de sofrer algum acidente e não contar com auxílio

A primeira coisa que temos que ter em mente é que não conseguimos controlar todas as coisas na vida. Acidentes e suas consequências são fatalidades e não podemos mudar isso. A primeira coisa que temos que ter, principalmente quando viajamos sozinhas, é um bom seguro viagem e devemos andar com uma cópia da apólice na bolsa. Caso aconteça o pior, a pessoa que vai nos socorrer saberá que temos, ao menos, um seguro.

Leia também >> Como contratar um seguro viagem internacional

Como aqui no Brasil, não sabemos realmente se alguém vai nos socorrer, mas vamos combinar que a probabilidade é bem alta. Eu, pelo menos, ainda acredito nos seres humanos 🙂 Se isso é uma coisa que realmente te preocupa muito, o que pode amenizar um pouquinho os pensamentos e receios é pesquisar os melhores hospitais e clínicas de emergência no seu destino e ver se estão cobertos pelo seu seguro.

Fora isso, a possibilidade é não viajar, porque, como disse antes, são fatalidades, acontecimentos que não temos poder nem controle.

Medo de só ter casais e não conseguir fazer nenhuma amizade

Isso depende muito da escolha do destino e do tipo de hospedagem que você vai escolher. Sabemos que destinos ditos românticos, como no Caribe, por exemplo, são muito frequentados por casais em lua de mel e famílias, que acabam optando em se hospedar em resorts pela facilidade de ter tudo à mão. Eu já tive essa experiência e, em uma ocasião, passei 5 dias sem trocar uma palavra com hóspedes. Mas pra mim estava tudo bem, curti igual. Já em outra vez, fiquei surpresa com a receptividade de casais e famílias, fiz até passeios com eles. Estavam super aberto a novas amizades.

Então, se você está em busca de amizades e companhia para passeios e acha que não vai ficar bem e curtir sozinha, evite se hospedar em resorts e evite estes tipos de destino. Pelo menos, até achar que está mais tranquila para fazer sua experiência ser maravilhosa, independente de companhia.

Medo de assédio durante o voo

Já foram registrados por aí vários casos de assédio, principalmente, durante voos longos. A companhia aérea Air China, depois de receber reclamações, “resolveu” o problema oferecendo assentos exclusivos para mulheres em seus voos. Na minha opinião, isso não resolve o problema, pois o assédio continuará acontecendo e nada acontece com os assediadores. Mas bem, é um pequena solução. Não são todas as companhias aéreas que possuem esse “serviço”, mas não custa você solicitar no seu check in sentar ao lado de outra mulher.

Medo de países onde as mulheres não são respeitadas

Bem, o que tenho a dizer sobre esse países? Simplesmente, que eles não estão na minha lista de destinos. Há tantos lugares no mundo para ver que isso não é um problema pra mim. Uma viagem, na minha opinião, tem que ser prazerosa e não uma constante preocupação. Eu não busco coleção de carimbos, busco prazer, alegria, conhecer culturas diferentes, ver lugares bonitos. Também não estou disposta a ficar em estado de alerta constante. Isso já acontece na cidade onde moro, então não faria sentido pra mim.

Bom, esse é  meu modo de ver as coisas e decidir pelos destinos. Que lindo seria se nós, mulheres, pudéssemos realmente andar por onde quiséssemos, livremente, sem sermos importunadas, assediadas e desrespeitadas. Infelizmente, o mundo não roda dessa maneira e ainda temos que nos preocupar com tudo isso.

Outra coisa importante é estar ciente de que muito do que se diz por aí de alguns países, não condiz com a realidade. Então, se você quer muito conhecer um destino, vale sempre pesquisar bastante, conversar com pessoas que já estiveram lá, porque muitas questões podem ser resolvidas viajando de outra forma. Fazer um pacote com uma agência e ter um guia, por exemplo, seriam soluções mais seguras e você não deixaria de conhecer o destino.

Medo de não fazer amizades

Nem sempre é fácil fazer amizades durante a sua viagem sozinha. Isso depende muito de como é seu temperamento e também dos locais que vai frequentar.

Um facilitador para fazer amigos é se hospedar em hostels que, normalmente, organizam eventos e tours e as pessoas estão mais próximas e abertas, muito em função das áreas de convivência. Você acaba tomando um drink no bar e começa um papo; ou está na cozinha fazendo um sanduíche e acaba jantando com mais alguém que está por ali; ou ainda conhece alguém legal que está hospedado no mesmo quarto que você e acabam fazendo algum passeio juntos. O ambiente de um hostel é bem mais descontraído do que o de um hotel e isso facilita a interação de todos. Mas existem também outras formas de fazer amizades.

Leia Também >> Como fazer amigos viajando sozinha

Para as pessoas mais tímidas e fechadas sempre digo uma coisa: nem sempre a iniciativa para novas amizades precisa ser nossa. Existem muitos viajantes solo que acabam vindo até a gente e daí é preciso fazer um esforço e estar aberta a interagir. Sorrir, dar bom dia, boa tarde, fazer uma pergunta simples, como: de onde você é, já abre mil possibilidades.

Medo de fazer amizades por ser antissocial e desconfiada

A primeira coisa que você precisa saber é que você não é obrigada a fazer amizades, quando viaja sozinha. Isso não é um ponto obrigatório, mas é saudável. É uma escolha e não uma imposição: ahhh eu tenho que fazer amigos, porque estou viajando sozinha. Nem pensar! Você pode curtir a sua viagem somente com você mesma e o máximo que vai acontecer é fazer alguns passeios, onde vai acabar conhecendo pessoas e socializar, se quiser, com algumas.

Quanto a ser desconfiada, não é um ponto negativo, desde que sua desconfiança seja em uma dose, digamos, normal, sem paranoia. Não dá para desconfiar de tudo, de todos e o tempo todo. Se for na medida certa é uma questão de deixar as anteninhas ligadas e ficar atenta, o que é perfeito e natural. Você está tomando conta de si mesma.

Outro ponto a ser dito é que sempre tendemos a achar que só vamos cruzar com pessoas do mal. Isso acontece é claro, mas o mundo ainda tem muito mais pessoas do bem do que do mal. Pense de forma positiva, pois te falo que a maioria das pessoas que até hoje cruzaram o meu caminho na estrada foram pessoas do bem e fiz ótimas amizades.

Medo de se sentir muito só, ficar depressiva ou sentir tédio

Pra quem nunca viajou sozinha, essa apreensão é bastante normal. Por isso, se esse medo é grandão na sua cabeça, uma maneira de fazer um teste é começar devagar e por perto. Comece fazendo coisas sozinhas na sua cidade: passeios, ir ao cinema, visitar um museu. Depois você pode partir para uma viagem curtinha e perto de casa. Caso você realmente deteste ficar sozinha, na sua própria companhia, não vai ser difícil voltar pra casa. Eu falo de algumas possibilidades em outro post.

Leia também >> Como lidar com o medo de viajar sozinha (antes de viajar)

Vou te falar o que geralmente acontece comigo. Eu faço um roteiro bem completinho para cada dia (mesmo que eu nunca o cumpra de verdade) e te falo que ter atividades interessantes e fazer coisas que você realmente gosta, vai te deixar tão ocupada e tão feliz que, dificilmente, você vai se sentir entediada. Procure colocar no seu roteiro, não aquilo que as pessoas dizem que você DEVE ver, mas aquilo que você realmente gosta de fazer. Vai te dar prazer e, ao final do dia, você estará tão cansada que não vai ter espaço para depressão ou tédio.

Mas…se ainda assim isso acontecer, procure uma amiga no Whats. Bata papo, compartilhe suas fotos com os amigos, ligue para alguém. Você vai se distrair e vai passar logo 🙂

Medo de violência, sequestro e tráfico de mulheres

Realmente o mundo está violento e estas coisas acontecem mesmo, porém, mais uma vez está fora do nosso controle. Não temos muito o que fazer, a não ser ter muito cuidado e atenção sempre, no Brasil ou fora dele.

Já que não podemos controlar estes tipos de acontecimentos, temos duas opções: ficar em casa “protegidas” ou colocar o pé no mundo, com muita cautela e, sempre, mas sempre mesmo, ouvir nossos instintos. Se eles apitam em nossa orelha, ouça. Eles estão, em 90% dos casos, certos!

E você? Qual o seu medo de viajar sozinha?

2 COMENTÁRIOS

  1. Simplesmente maravilhoso seu texto. Obrigada por compartilhar suas experiências e nos elucidar com fatos e situações do dia a dia do viajante solo. Estarei acompanhando sempre seus relatos.

DEIXE UM COMENTÁRIO! VOU ADORAR!

Please enter your comment!
Please enter your name here