Atualizado em Outubro 2020

A visita à Miolo é item obrigatório no roteiro para quem está explorando a Serra Gaúcha. A Miolo é uma das vinícolas mais renomadas do Brasil e fica no famoso e belíssimo Vale dos Vinhedos.

Produzem vinhos deliciosos, além de abrirem as portas para o enoturismo no Rio Grande do Sul. Quero te contar como foi a visita à Miolo durante a Press Trip Vindima 2019 para você não deixar de colocar no seu roteiro pela Serra Gaúcha.

Vale dos Vinhedos e a D.O.

Para quem não sabe, o Vale dos Vinhedos é a primeira região a receber indicação de procedência de vinhos do Brasil, a Denominação de Origem (D.O.).

Ou seja, os vinhos que saem dali possuem características específicas provenientes da região. Desde o solo em que as uvas são plantadas, até as notas finais do produto, tudo diz respeito ao pedaço de terra não tão longe de Bento Gonçalves, o Vale dos Vinhedos. 

O enoturismo no Vale dos Vinhedos é uma excelente opção de roteiro se você quer passear pela Serra Gaúcha e conhecer de perto aspectos da cultura regional do sul do Brasil. Seja por meio dos cenários bucólicos, da boa cozinha ou das visitas às vinícolas.

Breve história da Miolo

Hoje, a Miolo Wine Group é a maior exportadora de vinhos do Brasil, além de ter ganhado bastante espaço no mercado internacional. Mas isso não aconteceu por acaso, tudo tem uma longa história de dedicação e paixão pela arte do vinho, que corre no sangue da família Miolo desde o século passado.

Tudo começou em 1897, quando Giuseppe Miolo saiu da Itália e veio para o Brasil. Uma das primeiras coisas que fez foi comprar um pedaço de terra onde hoje conhecemos como Vale dos Vinhedos. Ainda no mesmo ano, Giuseppe começou a cultivar uvas e batizou o local de Lote 43. 

Algum tempo depois, na década de 1970, as uvas da família Miolo já eram conhecidas por serem finas e de qualidade. Mas foi somente nos anos 80 que surgiu a Vinícola Miolo. Inicialmente eram apenas 30 hectares de vinhedos e o vinho era todo vendido para outras vinícolas. 

A primeira garrafa a ser comercializada com a assinatura da Miolo foi um Merlot safra 1990. Desde então, a vinícola apenas cresceu. Aos poucos, os vinhos Miolo foram sendo apreciados por todo o Brasil e, hoje, já encantam paladares ao redor do mundo. 

A Miolo expressa os anos de história e de expertise em produtos como o clássico Lote 43 (R$ 196,39 a garrafa). Este vinho é uma homenagem ao patriarca Giuseppe e é feito apenas com safras excepcionais. 

O MIOLO LOTE 43 PODE SER CONSIDERADO A VERDADEIRA TESTEMUNHA DA EVOLUÇÃO NOS VINHEDOS, NOS PROCESSOS DE ELABORAÇÃO E DE ENVELHECIMENTO, DA QUALIDADE DOS VINHOS DA MIOLO E DA VITIVINICULTURA BRASILEIRA.” ADRIANO MIOLO

Toda a história da vinícola está muito bem preservada no Vale dos Vinhedos. O local se torna, então, perfeito para mergulhar de cabeça na história da viniviticultura brasileira e degustar os bons vinhos que temos por aqui.

Visita

A visita da qual participei foi para a imprensa e guiada pelo enólogo Adriano Miolo, que contou um pouco da história do Lote 43 e da vinícola.

Iniciamos com uma caminhada pelos vinhedos, onde pudemos avistar o famoso Lote 43, onde são cultivadas as uvas Merlot e Cabernet Sauvignon que dão origem ao vinho ícone da Miolo.

Após andarmos pelo vinhedos fomos conhecer os tanques, onde tivemos a oportunidade de degustar espumantes e vinhos e entender um pouco mais do processo de elaboração dos vinhos e espumantes.

Andamos pela Cave das Barricas e depois pela cave onde estão as garrafas no processo de envelhecimento.

Durante a caminhada pelas instalações você começa a entender a complexidade da elaboração dos vinhos e espumantes. A visita é realmente muito interessante, ainda mais para quem aprecia a bebida como eu.

Ainda tivemos a oportunidade de subir na torre da Miolo e apreciar por alguns minutos aquela vista deslumbrante dos vinhedos e da belíssima propriedade da Miolo. 

Mas ainda não acabou. Hora de degustar e saborear os vinhos espumantes da casa.

Leia também

Visita à Vinícola Pizzato no Vale dos Vinhedos

Degustação de cervejas Wiatrack no Vale dos Vinhedos

Osteria della Colombina: culinária italiana afetiva

Degustação em sala especial 

Depois de caminhar pela propriedade, chegou a hora da degustação de vinhos e espumantes Miolo. Tudo aconteceu em uma sala especial, com mesas especiais para a degustação.

Tivemos o prazer de contar mais uma vez com a presença do enólogo Adriano Miolo que nos explicou cada um dos vinhos e espumantes. 

No total foram 6 garrafas diferentes, das quais três eram espumantes e as outras três vinhos tintos e branco. Todos deliciosos, o que já se espera da Miolo. 

Os vinhos

O primeiro foi o Terras Sauvignon Blanc, safra de 2017. Possui coloração amarelo-palha e reflexos esverdeados. Já o aroma é de frutas tropicais. Na boca, o sabor que mais destaca é o das frutas, garantindo um sabor marcante e equilibrado. 

Degustamos também o Prosecco Brut, que é feito na Serra Gaúcha. Ele tem coloração amarelada e possui sabor intenso. O método utilizado em sua produção é o Charmat, com dupla fermentação. 

Outro espumante que degustamos foi o Privilege Brut, também da Serra Gaúcha. A coloração é amarelada e os reflexos são dourados. Na boca, é um espumante intenso e com notas equilibradas. 

O Elegance Champagne Blancs de Blancs também foi degustado. Trata-se de um espumante feito com o método tradicional, o que garante o visual rico e a boa coloração. O sabor também é delicioso: um paladar fresco e retrogosto intenso. 

Como vinho tinto, provamos o Armando Memória Touriga Nacional da safra de 2017, que ainda não estava no mercado. A coloração rubi é intensa e garante um bom apelo visual. Na boca, é um vinho bem encorpado e complexidade ideal para ser envelhecido. 

Por fim, degustamos o Armando Memória Teroldego, produzido na Serra do Sudeste e Campanha. Um vinho de coloração intensa com notas sutis e sabor marcante. 

Esta seleção de vinhos não necessariamente será a mesma durante a sua visita. Consulte a Miolo para saber quais rótulos serão degustados na data da sua degustação.

Visitar à Miolo sozinha

Se você estiver fazendo seu roteiro pela Serra gaúcha sozinha, você poderá se hospedar em Bento Gonçalves e contratar algum passeio para ir não só a Miolo, mas a outras vinícolas e atrações do Vale dos Vinhedos.

Eu me hospedei no Dall’Onder Grande Hotel e a estadia foi ótima, além de ele ser super bem localizado na cidade que você pode usar como base para os outros passeios.

Existe outra opção de hospedagem bem em frente a Vinícola Miolo, no Hotel & Spa do Vinho. Outra experiência que deve ser super interessante e que um dia ainda vou experimentar.

Hotel & Spa do Vinho

Para se deslocar pelo Vale dos Vinhedos e conhecer a região também é legal alugar um carro, mas daí tem o problema de não poder beber e dirigir. Vai dispensar a degustação dos vinhos maravilhosos? Por isso acho mais legal contratar passeios pra poder relaxar e aproveitar ao máximo as vinícolas com os excelentes vinhos da região.

Denise Tonin visitou a vinícola à convite da Miolo, durante a Press Trip Vindima 2019, mas a opinião é isenta e baseada na experiência real da autora.

Informações Práticas

Endereço: RS444 km 21 – Vale dos Vinhedos

Horários Visitas: Seg a sáb, às 9h, 10h, 11h, 12h, 13h, 14h, 15h, 16h e 16h30min. Domingos e feriados, às 10h30min, 11h30min, 12h, 13h30min, 14h30min, 15h e 15h30min.

Reserva: é necessária a reserva para grupos acima de 15 pessoas.

Valor: R$ 35 por pessoa, sendo R$ 10 revertidos em compra de produtos.

Contato: (54) 2102.1537 ou 2102.1540 ou visita@miolo.com.br

DEIXE UM COMENTÁRIO! VOU ADORAR!

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.